Skip links

O talento da geração em um mundo pós-COVID: Preparando agora os futuros líderes

Reprodução da Global Magazine da AESC (Association of Executive Search and Leadership Consultants)

Pessoas e organizações sairão da crise da COVID-19 mudadas, se não transformadas. O talento da próxima geração – especificamente os jovens da geração Y e os mais velhos da geração Z que cresceram digitalmente e atingiram a maioridade durante a crise financeira global e a pandemia da COVID-19, respectivamente, foram moldados por essa ruptura de maneiras bastante significativas. Executivos de alto escalão que investem em sua carteira de talentos e se preparam para recrutar e reter candidatos jovens de alto potencial fariam bem em considerar o impacto social e profissional da pandemia sobre esses futuros líderes.

Fotografia da próxima geração

Vários pesquisadores sobre ‘tipos’ geracionais indicam que os Millenials, nascidos de 1980 a 1995, tendem a estar dispostos a se comprometer, aprenderam a ser autossuficientes e querem contribuir. Eles são mais propensos a mudar de emprego e carreira do que as gerações que os precedem. A crise financeira global de 2008 deixou os Millenials subempregados, e agora a pandemia forçou muitos deles, já desproporcionalmente afetados pela dívida, a adiar eventos marcantes como casamento, ter filhos, comprar uma casa ou começar um negócio.

A geração Z, nascidos de 1996 a 2010, foram moldados por uma adolescência online. Eles sabem como acessar as informações e agem sobre o que encontram, influenciados pela ética de uma marca ou organização. Como trabalhadores em início de carreira, a pandemia os tornou mais vulneráveis ​​à perda de empregos e eles experimentaram reveses significativos relacionados à COVID em seu treinamento e educação. Sejam funcionários ou alunos, eles perderam um ano, exacerbando seu estresse e incerteza. A geração Z pode ter duas vezes mais probabilidade do que a geração Y de sofrer de ansiedade e depressão. Eles estão cada vez mais comprometidos com a diversidade, equidade e inclusão, sustentabilidade ambiental e justiça econômica e social.

Teste de Estresse, Emprego e Educação

No auge da pandemia, pelo menos metade de todos os jovens estava preocupada com seu futuro. De acordo com um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT), “Trinta e oito por cento dos jovens, em todo o mundo, estão incertos e 16 por cento temerosos quanto às suas perspectivas de carreira futura.” (JUVENTUDE & COVID-19: Impactos sobre empregos, educação, direitos e bem-estar mental,” Relatório de Pesquisa 2020, Organização Internacional do Trabalho, 11 de agosto de 2020.) As preocupações sobre a economia global permanecem e podem ser exacerbadas pelo aumento de Infecções por variante COVID e a ameaça de novos bloqueios e interrupções.

Esse medo está bem colocado, considerando o impacto econômico desproporcional da pandemia sobre os jovens. De acordo com o economista Luke Pardue, da Gusto.com, trabalhadores com menos de 25 anos requisitaram 73% de licenças a mais do que aqueles com 25 anos ou mais, e 79% tinham mais chances de serem demitidos. (Luke Pardue, “Class of 2021 Job Prospects in the COVID Economy”, Company News, Gusto.com. 30 de abril de 2021). Além disso, uma pesquisa de Bart Cockx da Universidade de Ghent, na Bélgica, descobriu que leva cerca de dez anos para pessoas que entraram no mercado de trabalho durante uma recessão para alcançar aquelas que não o fizeram. (Bart Cockx, “Os jovens que se formam em uma recessão incorrem em perdas permanentes?” IZA World of Labor, agosto de 2016)

A pandemia também testou a resiliência e a engenhosidade de jovens e futuros trabalhadores, que se adaptaram com trabalhos paralelos e múltiplos fluxos de renda, até mesmo como estudantes. O professor de empreendedorismo da NYU, Arun Sundararajan, disse à BBC em 2018:

“Esta será a primeira geração que abraça ativamente os empregos microempreendedores como sua principal forma de ganhar a vida, em vez de um emprego estável de tempo integral”. (Byron Lufkin, “How the young generation is redefining work,” BBC.Com, 27 de fevereiro de 2018)

Resta saber como os profissionais mais jovens abordarão suas carreiras daqui para frente. Antes da pandemia e da turbulência resultante, a próxima geração de talentos era atraída por organizações com propósitos alinhados a seus valores. Essas preferências tendem a ser ainda mais pronunciadas à medida que as economias se estabilizam e os talentos têm a oportunidade de considerar como as organizações se comportaram sob pressão e se reinventaram por meio da recuperação.

Novas expectativas

Trabalhar e estudar em casa e as inúmeras interrupções da COVID-19 deram às pessoas em todo o mundo a oportunidade de recalibrar seus valores, prioridades e expectativas:

SAÚDE MENTAL – Particularmente para jovens talentos, o bem-estar e a saúde mental vêm à tona – com urgência. Esta parcela da população experimenta níveis mais altos de ansiedade e depressão e espera que os empregadores forneçam serviços robustos e que deixem de estigmatizar problemas de saúde mental.

EQUILÍBRIO E FLEXIBILIDADE – Os bloqueios provaram que os funcionários de escritório podem fazer seu trabalho remotamente e os jovens talentos preferem flexibilidade contínua com seus horários e localização para criar um melhor equilíbrio em suas vidas.

COMUNICAÇÃO – A comunicação eficaz foi essencial durante a pandemia e continua sendo um fator decisivo nos níveis de engajamento dos funcionários, especialmente a comunicação que mostra que os líderes estão dispostos a ser vulneráveis, autênticos e transparentes. Para as pessoas que estão imersas no imediatismo da comunicação digital e da mídia social, o feedback frequente é essencial.

OPORTUNIDADE – O desejo do talento da próxima geração por orientação, treinamento e um caminho claro para o avanço na carreira não é novo, mas pode ser intensificado pela incerteza econômica que eles continuam a enfrentar. Eles estão cada vez mais propensos a desenvolver vários fluxos de receita.

APRENDIZAGEM – Acompanhar o ritmo das mudanças exigirá aprimoramento e requalificação regulares e os nativos digitais estão ansiosos para aprender. Uma pesquisa recente do LinkedIn mostra que 83% dos membros da Geração Z desejam aprender habilidades para ter um melhor desempenho em suas funções atuais.

VALORES ALINHADOS – A pandemia e a agitação social de 2020 expôs injustiças e vulnerabilidades que a próxima geração de talentos não deixa de enxergar. O propósito de uma organização, o compromisso com os princípios ESG, incluindo sustentabilidade ambiental e histórico de diversidade, equidade e inclusão, provavelmente terão um grande peso à medida que o talento da próxima geração avalia os empregadores atuais e futuros.

Líderes do Futuro

As novas gerações estão cada vez mais comprometidas com a mudança. Eles esperam que os setores público e privado alavanquem sua influência para o bem e irão alavancar sua própria influência – como consumidores, eleitores, funcionários, empresários e influenciadores – para criar o mundo em que desejam viver.  De acordo com Sherif Kamel, Reitor da Escola de Negócios da Universidade Americana no Cairo e Presidente da Câmara de Comércio Americana no Egito,

O mundo precisa de um estilo de liderança diferente que seja mais visionário, eficaz, pragmático, envolvente, capacitador, compassivo e transparente. Na era de interrupções contínuas, há uma necessidade extrema de líderes humildes, confiáveis ​​e dispostos a buscar orientação em seus constituintes e ecossistemas, para que possam navegar com eficácia pelas incertezas infinitas.” (Sherif Kamel, “NextGen Leaders in a post-COVID-19 World”, CEMS.org, 28 de janeiro de 2021)

Com seu compromisso com a mudança positiva, adaptabilidade conquistada com dificuldade e resiliência testada, o talento da próxima geração pode estar em uma posição única para liderar as organizações do futuro. COVID-19 aumentou a ansiedade, incerteza, resiliência e engenhosidade de uma geração. Os subprodutos da pandemia também incluem empatia, compaixão e gratidão – habilidades essenciais para as pessoas que talvez guiem o mundo durante a próxima pandemia e moldarão o tipo de comunidades e organizações, sociedades e economias que nos tornaremos.

Quer saber mais sobre nossas marcas? Entre em contato com a gente:





    Conheça nossas marcas:

    Leave a comment